Dependência Tecnológica

Quando foi a última vez que você saiu de casa sem o celular? Provavelmente você se lembra do dia, inclusive com detalhes: se chovia, fazia sol, onde esteve, com quem falou e o que fez. Ficar sem celular é uma situação estressante, e situações estressantes ficam gravadas em detalhes em nossa memória, devido a uma de nossas funções biológicas de autopreservação, que serve para evitar que cometamos o mesmo erro novamente e não voltemos a nos expor deliberadamente a um mesmo risco. Considerando que ninguém morre por ficar sem celular, pelo menos em situações normais do dia a dia, por que tanto estresse? Por que nosso organismo interpreta a falta de um aparelho de comunicação como um risco de vida? A resposta está na importância que esses aparelhos, e as informações que eles carregam, têm para nossas atividades diárias, assim a sua falta nos dá a sensação de vulnerabilidade e perigo, interpretada pelos nossos mecanismos de defesa como uma ameaça.

Isso é um exemplo de dependência tecnológica e, quanto mais sofisticado e funcional for o aparelho, maior essa dependência se torna. Impossível não se acostumar a ter tudo na mão. Os usuários de smartphones que o digam: e-mail, agenda de compromissos e contatos, acesso a sistemas da empresa, acesso a informações diversas pela internet… E, claro, ligações telefônicas! Também criamos dependência de nosso computador e qualquer outro gadget com o qual convivamos, seja no trabalho ou em nossos momentos de lazer. Basta observar o que acontece nas empresas e nas residências quando há falta de energia elétrica… Ninguém mais trabalha e ninguém mais tem o que fazer.

A dependência tecnológica já é descrita por alguns autores como a “doença do século 21”, mas é importante observarmos que existe uma fronteira entre o que podemos chamar de dependência racional e dependência irracional. A primeira ocorre quando temos consciência do que estamos deixando de fazer por causa da indisponibilidade da tecnologia e buscamos meios para contornar a situação. Na dependência irracional, ocorre a total “parada” do sujeito até que se restabeleça a tecnologia ou o inverso: a total imersão no produto tecnológico até que ocorra uma interrupção forçada, exatamente o que ocorreu no famoso caso de um rapaz coreano que morreu de inanição após passar vários dias em uma lan-house imerso em um jogo. Isso pode ser chamado de doença.

Nas empresas usualmente somos dependentes da tecnologia de uma forma racional, temos soluções de contorno estabelecidas, mesmo que informalmente. O que não significa que devemos nos descuidar das medidas de segurança como back-ups, equipamentos redundantes e outros recursos que minimizem o impacto da indisponibilidade da tecnologia. E mais: além da dependência tecnológica das pessoas, a maior parte das empresas tem hoje seu negócio dependente da tecnologia. Processos, informações, recursos, tudo depende de equipamentos e de bases de dados, e é fácil deduzir que a dependência tecnológica nas empresas é diretamente proporcional ao tamanho da componente “conhecimento” do negócio. Portanto, podemos dizer que a gestão do conhecimento, por exemplo, amplia a dependência tecnológica da empresa.

A dependência tecnológica nas empresas nada mais é do que um “efeito colateral” do uso de soluções que agregam processos e conhecimentos, o que aumenta ainda mais a necessidade de medidas de prevenção à indisponibilidade da tecnologia, principalmente se considerarmos o valor que esse patrimônio de conhecimento representa para os negócios da empresa.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s